Publicado por: luizerbes | abril 6, 2012

Günter Grass – O que deve ser dito

O poema abaixo, ” O que deve ser dito”, foi divulgado essa semana por Günter Grass e causou certa indignação por parte daqueles que defendem cegamente os crimes de Israel. Natural. Segue uma tradução, feita pelo site da “Folha.Com” (leia aqui).

***

Por que me calo há tanto tempo

Sobre o que é evidente e se empregava

Em jogos de guerra em que no fim, sobreviventes,

terminamos como notas de pé de página.

É o suposto direito a um ataque preventivo

Que poderia exterminar o povo iraniano,

Subjugado e levado a um júbilo orquestrado por um fanfarrão,

Porque em sua jurisdição suspeita-se da fabricação de uma bomba atômica.

Mas, por que me proíbo de dizer o nome

desse outro país em que há anos ainda que secretamente

Dispõe-se de um crescente potencial nuclear

Fora de controle, já que é inacessível a toda inspeção?

O silêncio generalizado sobre esse fato,

Ao qual o meu próprio silêncio se submeteu,

Me soa como uma grave mentira

e uma coação que ameaça castigar quando não se respeita;

“antissemitismo” é o nome da condenação.

Agora, no entanto, porque o meu país foi

Atingido e chamado às falas uma e outra vez

Por crimes muito particulares

Incomparáveis

rotineiramente,

Mesmo que depois qualificada como reparação,

Vai entregar a Israel outro submarino cuja especialidade

É dirigir ogivas aniquiladoras

Em direção aonde não se comprovou a existência de uma única bomba,

Embora se queira apresentar como prova o medo

Digo o que deve ser dito

Por que me calei até agora?

Porque achava que minha origem,

Marcada por um estigma indelével, me proibia de atribuir esse fato, como é evidente,

Ao país chamado Israel, ao qual estou unido e quero continuar estando.

Por que só agora digo, envelhecido e com minha última tinta: Israel, potência nuclear, coloca em perigo uma paz mundial já por si mesma alquebrada?

Porque é preciso dizer o que amanhã poderia ser tarde demais,

E porque incriminados o bastante por ser alemães poderíamos ser cúmplices

De um crime que é previsível, tornando nossa parcela de culpa impossível de ser extinta com as desculpas de sempre

Admito: não continuo calado porque estou farto da hipocrisia do Ocidente; cabe esperar ainda que muitos se liberem do silêncio, exijam ao causador desse perigo visível que renuncie ao uso da força e insistam também em que os governos de ambos países

Permitam o controle permanente e sem barreiras por uma instância internacional do potencial nuclear israelense e das instalações nucleares iranianas.

Só assim poderemos ajudar a todos israelenses e palestinos e sobretudo a todos os seres humanos que nessa região tomada pela demência vivem como inimigos lado a lado, odiando-se mutuamente, e, definitivamente, ajudar-nos também.

Anúncios

Responses

  1. A última tinta de Gunter Grass seria mais um presságio? Sou um matuto sertanejo, como tal também amamos a Luz que nos liberta da razão fazendo dela nossa parceira.Esse tal poema tem a sonoridade acovardada pelo desejo de manifestar uma inveja. Não são poucos os que invejam a clareza de raciocínio, a erudição, a lógica e a coragem de um Israelita. É a inveja que nos faz cúmplice de todos que detesta o que invejamos a ponto de torna-lo detestável. Não conheço a obra desse nobel apesar de famosa. Mas nunca em tão poucos linhas, vi alguém ser tão raso, tão presunçoso, tão irresponsável e tão covarde.Ou será que um velho intelectual não conhece os Persas e os fanáticos de hoje que imaginam retomar a glória dos antigos reis com as explosões de seus corpos e de inocentes. Toda pessoa humilde e estudada conhece Israel e a Pérsia. É vergonhosa a parcialidade em prol do que julgou não ser necessário apresentar. Os alemães, cultos e corajosos se extribucham de vergonha, enquanto os sensatos se escandalizam.

  2. Respeito a opinião, mas discordo 100% dela. Nessa discussão, estou ao lado do escritor. Recomendo a leitura de “O Tambor”.

  3. Ao Sr. Gunter, meu humilde apoio! Respeito sempre e admiro a coragem dos que se opõe ao subjugo das grandes potências, que pela força e por finalidades demagógicas dominam os mais fracos.
    Desarmemos sim o Irã! Mas desarmemos, também todas a potências nucleares! José Narciso Rosa Assunção.

  4. Gostei do comentário. É necessário desarmar a humanidade, e não um país apenas.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: