Publicado por: luizerbes | setembro 25, 2010

Clube do Fotógrafo de Caxias festeja 30 anos

Produzi esse material para o Clube do Fotógrafo de Caxias do Sul. Segue, abaixo, na integra o texto, com um pouco da história e a sua importância para os fotógrafos da cidade – e não apenas os amadores.

***

Foi numa quinta-feira à noite, no começo da primavera de 1980, em que seis pessoas se reuniram pela primeira vez, na Associação Atlética Banco do Brasil (AABB). Definiram princípios e deram início ao Clube do Fotógrafo de Caxias do Sul, que festeja, no próximo dia 25 deste mês, os 30 anos de fundação. Um jantar no restaurante Colina Grill vai celebrar as três décadas do Clube.

A primeira reunião, segundo registro em ata, foi realizada às 20h do dia 25 de setembro de 1980, na sede da AABB. Estavam presentes Névio Briani, David Cesa Milani, Severino Júlio Schiavo, Joel Jordani, Jairo Nunes Bezzera e Paulo Valiati, todos funcionários do Banco do Brasil. Após o primeiro encontro, os integrantes decidiram marcar reuniões semanais.

No quinto encontro, em 24 de outubro, outras sete pessoas, que também adotaram a ideia, foram incluídas como membros fundadores do Clube. São eles: Aires Battistel, Alceu Wanderlei Valim de Lima, Aldo Toniazzo, Ary Nicodemus Trentin, Duval Ravizzon, José Raul Castilhos e Sérgio Simon Moschen. Na reunião, Névio Briani, já falecido e pai da rainha da Festa da Uva de 1996, Cristina Briani, foi eleito o primeiro presidente do Clube.

Com o passar dos meses e anos, outros fotógrafos, amadores e profissionais, se associaram ao Clube, participando das reuniões semanais, para discutir formas de aprimorar técnicas, e de concursos de fotografia na cidade, Estado e país. Desde o começo, associados do Clube do Fotógrafo colecionam troféus e menções honrosas nesses concursos Brasil afora.

Nessas três décadas, o clube também enfrentou dificuldades. No final dos anos 90, chegou a encerrar as atividades, mas retornou em 2005. “A volta se deve a Confederação Brasileira de Fotografia, que esteve em Caxias do Sul especialmente para a reativação do clube”, conta Aldo Toniazzo.

A ideia dos fundadores se mantém viva hoje. Com reuniões semanais na sede do Clube, no Moinho da Estação, os associados assistem a palestras, participam de reuniões técnicas e submetem fotos para os concursos internos realizados mensalmente. Além disso, o Clube prepara saídas de campo, organiza exposições e eventos (a última Bienal Brasileira de Arte Fotográfica foi realizada em Caxias do Sul, com recorde de participantes).

“O Clube é um ambiente para se discutir fotografia”, afirma o atual presidente da entidade, Adriano Soldatelli, que comanda, sempre as terças-feiras, as reuniões semanais no Moinho da Estação. “Fazemos fotografia sem segredos, aqui nós dividimos o conhecimento.”

Há três décadas no clube

Dos fundadores, Aldo Toniazzo é um dos sócios que permanece conectado ao dia-a-dia do Clube do Fotógrafo de Caxias do Sul. Participa dos encontros semanais, nos quais divide o conhecimento acumulado como fotógrafo amador, e inscreve-se rotineiramente nos concursos, organizados pelo próprio clube, por entidades e secretarias de turismo.

“O Clube é ótimo para os fotógrafos, porque existe a troca de conhecimento, que leva ao crescimento e ao aprimoramento”, afirma. Toniazzo diz que, após a reativação do clube em 2005, após sete anos de inatividade, essa troca de experiência o ajudou a crescer como fotógrafo. “Notei essa diferença. Hoje, tento me aperfeiçoar cada vez mais.”

Outro associado que participa do clube há 30 anos é Walter Brugger. Sócio desde novembro de 1980, Brugger ingressou no clube assim que soube de sua formação por um grupo de bancários do Banco do Brasil. “Quando a notícia saiu no jornal, fui lá na reunião. Apareceram outras pessoas também”, conta o fotógrafo.

Brugger, que sempre exibe o seu bom humor nos encontros semanais no Moinho do Estação, diz que o Clube ajudou no desenvolvimento dos fotógrafos em Caxias do Sul. “Quando o Clube foi fundado, era frequentado por pessoas que tinham a fotografia como hobby. Alguns dos que entraram como amadores posteriormente se tornaram profissionais”, afirma, citando Joel Jordani e Júlio Schiavo.

Com 85 anos, Walter Brugger diz que continua aprendendo novidades sobre fotografia no Clube, mas essa não é a única razão que o leva a frequentar as reuniões semanais e a integrar saídas de campo. “Quando você chega a esse idade, em que vários amigos já foram para o espaço, o Clube se torna um lugar em que você conhece novos camaradas, faz novos amigos.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: